segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Toalhinha(zita)s!

A moda é como a sarna, realmente não custa pegar. De repente, talvez pela sua diminuta dimensão, os lencinhos de bolso perderam lugar no seu espaço devido, o bolso e, consequentemente, ficaram desajustados da sua função primeira que deve ser assoar o nariz e, eventualmente, o limpar do rosto.

Com um à-vontade surpreendente, foram substituídos por toalhinhas, que prestam-se às mesmas e outras funções do primeiro. O exemplo parece ter vindo de cantores internacionais que deles fazem uso em seus suantes concertos. Os nossos cantarinos, maioritariamente os pseudo-rappers, primeiro andaram "numa de style" com as toalhitas penduradas nas cinturas, mas pouco depois passaram a usá-las em todo o lugar. O resto da malta, comuns e pobres mortais, seguiu-lhes a peugada.

Discretas ou coloridas, gastas ou novas, limpas ou encardidas, pequenas ou médias, as toalhinhas realmente estão à solta e, com o calor que faz por estas bandas, muitos motivos há que incentivam a que estas abandonem a intimidade das casa-de-banho e de alguns quartos ou para responder à necessidade de absorção de água em excesso em praias, ginásios e piscinas, únicos locais públicos permitidos, a favor de ambientes ou locais como a rua, o escritório, o restaurante, a discoteca, a sala de aula e outros com mesmas características.

Nesses cenários, há quem não limite o uso das toalhinhas à limpeza do rosto. Sem apelo e nem agravo, a toalhita é vigorosamente chamada para também enxaguar o pescoço, passar pelas axilas, limpar o peito e, para os grandes acrobatas, pela sua diminuta dimensão, as costas suadas. Perdoem os adeptos desta nova moda, com a sua razão, mas os ensinamentos sobre o uso desse pedaço de pano, no quarto e na casa-de-banho, provocam uma profunda impressão.

7 comentários:

Nero Kalashnikov disse...

Eu e o meu lencinho, eles e as suas toalhinhas, tu com as tuas impressoes e todos com os nossos problemas. Por acaso nao acho mal a tolhinha. Vejo muito boa gente enxugando as tolhinhas para que o suor seja efectivamente sugado.

Quid juris?

Anónimo disse...

aye...a moda é um castigo para os pobres que nada têm para o acompanhar.
Mussa Raja

Chacate Joaquim disse...

Tal como o Nero, não vejo mal no uso adequado da toalhinha o que incomoda é que há indivíduos que até chegam a tirar todo o veste para se limpar (costas, peito, axilas até ao rosto) pensamos que aqui é onde começamos cada um a tomar seu rumo.

não vou me matar a procurar causas mas tudo indica que a utilidade habitual da toalhinha faz os utentes esquecerem do meio envolvente onde é proporcionalemente usável!

Ximbitane disse...

Ops, longe de mim bancar a "juris", Nero

Ximbitane disse...

Hehehehehe, que bola, Mussa, que bola!

Ximbitane disse...

Concordo, Chacate, esses excessos e perca de noção do espaço e tempo é que são agoniantes. Avé, toalhitas!!!

Anónimo disse...

Xim, 'Aswitawulana' comecaram com os mafamba djoni. Os rappers locais estao apenas reinvetaram a roda e aumentaram o tamanho das toalhas. Emidio Gune