terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

O rugir do leão

Nas nossas televisões, há algum tempo, tem corrido uma saga publicitária, ao estilo « bonecos animados », interessante e cómica, marcadamente moçambicana, protagonizada por um grupo de petizes, no qual se destaca o potente e invencível Pepito, que visa, na verdade, promover os feitos de um arroz de produção ( ?) e marca nacional, geralmente acompanhado por um feijão « que só a minha mãe sabe fazer », com poderes comparáveis às performances do rei da selva.

Com episódios, muitas vezes, relacionados com eventos políticos e sociais, como feriados nacionais (dia da celebração da independência, dia da mulher moçambicana, etc.) e datas especiais (jogos olimpicos, celebração do natal, dia dos namorados, por exemplo), a saga do Pepito e de seus companheiros, entre eles o Mandinho, é afincadamente acompanhada pelos demais petizes. É só olhar para as atitudes e formas de expressar dos mesmos !

Ora sabido quais são os « poderes » do rei da selva, no início da saga, a palavra de ordem pressupunha que ao consumir tal arroz ganhava-se força e energia. Com o andar dos tempos, viu-se o Pepito, a princípio um magricela, a ganhar massa corporea e a despender muita energia, como nos episódios em que jogava uma partida de ténis, ganhava corridas (apesar de todos os obstáculos que lhe eram colocados) ou no concerto pelo Natal, que de tão electrizante, ao estilo hard rock, se esparramou no chão.

Com o andar dos tempos, outros slogans foram construídos. O episódio mais recente, com slogan Estamos mais fortes !, mostra o Pepito e seu companheiro de brincadeiras, o Mandinho, contra dois outros rapazes, num jogo, que a princípio parece « cochet/coché ou morto », mas com bolas, de dimensão menor que as do andebol e maiores que as do ténis, que com toda força e energia, as lançam uns contra os outros até, claro, ao derrube dorido da equipe adversária.
Conhecidas que são as manias das crianças, grupo mais atento a esta saga, de tudo imitar, especial atenção deveria dar-se ao tipo de brincadeiras promovidos e a linguagem usada, senão grrrrrrrrrrrrrrr...

7 comentários:

Basilio Muhate disse...

Ximbi, é a força do marketing...cada vez mais selvagem...
Penso que é importante que se comece a pensar em regras mais Moçambicanizantes na publicidade

Chacate Joaquim disse...

Nela gramo de batota não se ganha... heheheheh lembra-me nos tempo da pequenada.... eheheh

Julio Mutisse disse...

Hehehehehe. Pepito é bom. É o heroi da criançada. Mas acho que devem ser mais comedidos. Vou verificar o código de publicidade

Ximbitane disse...

Ops, Basilio, se essa é a força do marketing, esta-se mesmo mal. A preocupação nao deveria ser so vender. A pub ja é uma imagem de marca da moçambicanidade, mas regras de conduta devem, evidentemente, ser urgentemente traçadas e cumpridas.

Ximbitane disse...

Hehehehe, Chacate, estou a ver que muitos adultos se identificam com a saga do Pepito. Espero eu é que nao se distraiam e deixem os inocentes petizes começarem a gladiar-se, ao exemplo dos astros

Ximbitane disse...

Força ai, Mutisse, depois das uma dica. Preocupa-me que os meus filhos aprendam maus habitos dentro de casa e a sorrir

Egídio Vaz disse...

Eu gosto da publicidade. É por isso que me colo à TV. Só para ver Pepito. Depois vou durmir, e o meu filho fica a ver novela.