segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Gravidez: desejos, aversões e... lucro fácil

O estado de graça, vulgo gravidez, é um momento impar na vida da mulher e do homem com quem ela gerou esse filho, bom, se a gestação for consensual. Uma mulher grávida, requer especial atenção na sua saúde pelo que tudo é feito assegurar uma vinda segura ao bebé. Geralmente uma consulta de controle pré-natal é suficiente, se a futura mamã não requer outros cuidados.

Em casa, muitas vezes do lado da sograria, cuidados tradicionais e característicos da família tem que ser salvaguardados: chás de ervas e raízes, cortes no ventre, etc., cada um age conforme a sua tradição.

No que se refere a alimentação na gravidez, sobretudo no meio rural ou onde os alimentos escasseiam, por diversas razões, defende-se a tese de que se deve dar primazia a mulher no momento da distribuição das porções das refeições pois ela é guardiã de um tesouro da família.

Durante a gravidez, ocorrem várias transformações na mulher (alterações no humor, nos hábitos, enfim, cada mulher com a sua história) e a mais notável e comum em todas é, sem dúvida, o crescer do ventre.

Algumas mulheres, as sortudas, não passam por nenhum inconveniente, excepto o desconforto que o ventre enorme provoca cabendo. Por vezes, o seu parceiro passa pelas mazelas da gravidez (enjoos, desejos estranhos, problemas na pele, mau humor, etc.)e, diga-se, em abono da verdade, que homens com sintomas de mulher grávida são uma alegria para as mulheres.

Outra manifestação típica deste período é a presença dos desejos e das aversões. Quanto as aversões, a sua gestão é muito fácil: se não gosta de certa fragrância de perfume, apenas não se borrifa; se não gosta de determinado alimento, não o come. Quanto aos desejos, ai a porca torce o rabo.

Todos desejos da futura mamã são e/ou devem, segundo as tradições, ser respondidos sob o risco de o bebé nascer com cara de laranja (porque esse desejo não foi satisfeito), ou nariz de banana (outro desejo não satisfeito). Se o pedido for feito a noite e recusado, a criança nascera muito escura (?), por ai em diante. Portanto, desejo enunciado, desejo concedido!

Como grande parte dos desejos da futura mamã são geralmente alimentares, algumas delas, sobretudo as citadinas com algumas posses, estão em maior vantagem pois dispõem de um leque variado, mesmo fora de época, posto que os supermercados e casas de especialidade oferecem esses produtos e os microondas fazem o resto. Infelizmente nem todas as vontades podem ser satisfeitas e de alguma maneira têm que o ser.

Durante a gravidez, o paladar pode alterar-se e a mulher pode deixar de apreciar alimentos que gostava bastante antes de ficar grávida. Do mesmo modo, durante a gravidez, certas mulheres sentem desejos súbitos por elementos estranhos não alimentares e arriscados para a sua saúde e a do bebé como o gelo, carvão vegetal, areia, pasta de dentes, sabão, giz, cinza ou tinta!

Cá entre nós, o momento do preparo da refeição familiar é uma ocasião para devorar carvão e cinza e, geralmente, fazem-no em segredo (também seria incrível que alguém pactuasse com tamanha barbárie para com a saúde dos dois: mãe e filho), como o fazem para consumir pasta de dentes, sabão e giz!

Quanto ao negócio da areia, em crescendo por cá, merece e passa por um tratamento especial: primeiro tem que ter “certificado” de origem, apesar de não estar isento de falsificações como tudo o resto, das margens do Incomáti e depois deve ser cozida. Sim, cozida, afinal é uma iguaria, e depois é pilada e temperada!

O procedimento é simples: numa chapa torra-se a areia, para tirar as impurezas, segundo alegam vendedoras e consumidoras. Depois pila-se e deita-se caldo em pó (anteriormente servia apenas o sal) e está pronto a consumir sendo acondicionado em pedaços de papel como se faz com o amendoim torrado vendido na rua.

Os preços, por cartuchinho, variam entre 5, 10 e 15Mt, conforme a tampa que se usa para medir as porções (por vezes de desodorizantes, quem sabe até se não de insecticidas?). O negócio é chorudo e o lucro imediato tanto mais que alimenta o vulgo xitique das vendedeiras.

10 comentários:

Chacate Joaquim disse...

Estas a ser campiã em matéria feminina... ahahahah mas será que haverá alguma explicação racional para efeitos da gestão na mulher moçambicaná?

olha para isso

Ximbitane disse...

Havera? Bom vou reflectir na questao e quiça nao sai um artigo à maneira feminina?

Dede Moquivalaka disse...

Minha irma, ya, esta's mesmo a dar aulas da biologia humana. Estou a gostar muito, sobretudo quando incluiste o homem.

Me lembro ter voado (mas em terra) mais que os avioes do Jardim a Maternidade de Bagamyo, numa situacao complicada de 'estado de gra,ca. Estou a reviver esse periodo no teu artigo.

chacate joaquim disse...

Dede o qué é uma alerta para tua irmã essa ném!... mas tens razão se fosse na CFI, VTC PAICO e outras empresas pagavamos por estes saberes só espero que continue a nos doar Ximbita. obrigado por esta postagem é mesmo interessante.

Ximbitane disse...

Ainda bem, Dede que posso colaborar de alguma forma nas tuas recordaçoes

Ximbitane disse...

Oh, nao se preocupe Chacate, hi mahala!

Jonathan McCharty disse...

"Por vezes, o seu parceiro passa pelas mazelas da gravidez (enjoos, desejos estranhos, problemas na pele, mau humor, etc.)e, diga-se, em abono da verdade, que homens com sintomas de mulher grávida são uma alegria para as mulheres."

E' a primeira vez que oico falar deste assunto! Sera' algo vulgar? E isso esta' relacionado ao "estado de graca" da sua parceira? Me desculpe a ignorancia....

Ximbitane disse...

Vulgar nao é, Jonathan, mas acontece sim durante o estado de graça da parceira.

Ha casos em que quando as gravidezes sao escondidas, os irmaos é que sofrem com as mazelas dos primeiros meses.

Chacate disse...

Ximbita!

Veja que Jonathan é mesmo inocente à esta matéria o que acontece com muito saber africano é tratado de forma sonegada porque quando procura aprofunda-lo há uma zona de penumbra a explicação é "Swa Hila".

Deve ser por isso que Jonathan é leigo ao assunto mas eu só não posso provar mas é frequente ouvir isso. Comigo mesmo já andaram a dizer isso que ando com muito sono porque a minha esposa está grávida. Agora, cientificamente não sei se já ha algo que explica isso ou não!

Entretanto já há provas de que a zona do peito da mãe onde Jonathan desputa com o seu bebé é uma eficiente encubadora em relação a artificial. são coizinhas assim mano...

temas interessantes ehm Ximbita. Abraço

Ximbitane disse...

É perfeitamente compreensivel, CJ. Cedo percebi que muitos dos factos que não tem justificação ou provas são conotadas como "algo que terá outros impactos".

Também não posso provar a cientificidade do facto, mas é das poucas coisas "africanas", sobretudo moçambicanas pelas quais ponho a mão no fogo: existe sim!