quarta-feira, 12 de novembro de 2008

14zinhas e o culto ao kota

Recentemente, em pleno chapa, acompanhei uma curta mas interessante conversa de duas quatorzinhas (aparentavam entre 16 e 19 anos). Txunadas e blingadas dos pés a cabeça, as moças falavam do kota que acabava de ligar para uma delas para um programa no principio da tarde, horário de expediente, num dos múltiplos motéis (?) que rapidamente floresceram dentro e na periferia de Maputo.

Kota é um termo provindo do vocabulário dos nossos irmãos "mangolés" e, conforme se diz, designa pessoas maduras ou mulheres confirmadas, entre nós, designam os nossos pais. No entanto, esta designação serve também parao homem, geralmente casado, o tal que gosta de quatorzinhas, com quem as jovens se relacionam para dessa relação adquirir dividendos em troca de favores sexuais.

A questão tem barba rija, mas um número significativo de mulheres, sobretudo as citadinas, tem tido como objectivo único apostar em relações das quais tirarão dividendos imediatos. À caça ao homem, passa pelo conhecimento do número das cifras que figuram na conta bancária da caça, do(s) carro(s) que possui, da casa onde vive, enfim, do status que tem e representa.

Não importa sequer se esse homem é casado! Se a caçadora é a 2ª, 3ª ou énesima mulher na vida do mesmo, o mais importante são os Mts que ele deixa aquando das sorrateiras visitas ou idas aos quartinhos, ou então a choruda mesada, o carro, a casa alugada e, em alguns casos, quando a moça é inteligente ou o homem extremamente atencioso, os estudos que pelo último são custeados. Quo vadis jovem moçambicana?

22 comentários:

Nyikiwa disse...

De facto, este fenómeno titios e catorzinhas não é novo, mas me parece que não são simplesmente as catorzinhas que procuram os cotas.

As catorzinhas usam os cotas como estratégias de sobrevivência face às adversidades da vida. Não estou a legitimar a atitude delas, mas estou a querer mostrar que as pessoas face a dificuldades mobilizam os recursos que melhor têm.

Ambos procuram-se e têm em vista troca de interesses, e creio que estão conscientes dos seus papéis.

X!mb!t@nE disse...

E ninguém disse o contrario, Nyikiwa! O que sempre parece é que apenas os "titios" procuram as "sobrinhas".

Júlio Mutisse disse...

Já reparaste como o debate do materialismo vai migrar da sua anterior postagem (acidentalmente puxado para lá) para esta? Hehehe.

Este post é motivado pela conversa que acompanhaste das quatorzinhas no chapa. No lugar daquelas podiam estar aqueles porque existem homens que caçam kotinhas pelos mesmos propósitos que elas caçam kotas.

Infelizmente cresce o materialismo na nossa sociedade! Não importa quem és. Importa o que tens ou, que aparentas ter. Importa o ar que apresentas.

Pouco importa se exibes uma aliança no dedo...

Nini disse...

Concordo com a opinião do júlio ao afirmar que pouco importa se exibes uma aliança no dedo. Os jovens quando vêem homem/mulher com aliança lá vão eles/elas lançar o charme.
A juventude moçambicana, particularmente as moças , não têm vergonha na cara, talvez como disse a Nyikiwa, seja uma estratégia de sobrevivência face às a diversidades da vida. Mas algumas moças chegam a ser discaradas, o que elas querem é aparecer. O motivo de tudo isso não é apenas a falta de pão em casa, tem a ver com a pertinência excessiva de querer estar na moda. Há uma certa obcessão em distinguir-se das outras. As moças com mentalidade infantil têm obcessão por tudo que possa fazer inveja as amigas como um “titio” que tem um carro de luxo, dá mesada, paga o salão, roupa e ainda leva para jantar.
Ximbitane, as jovens moçambicanas vão para cova antes de antigirem os seus 25 anos.

Jorge Saiete disse...

Alo amiga, sei que estiveste em Gaza para o fim de semana e acredito que na tua pasta meteste algumas castanhas para Maputo. Por favor não coma sozinha.

Quanto a questão que levantas, acho-a muito séria. e o que mais importa saber agora é, porque é que a pratica se generaliza cada dia que passa? quais são os elemento que a estimulam?

Interesses materias podem ser uma das razões mas não a única. é verdade o que o Nini diz em relação a interesses de natureza psicólogicas que não passam pelo acesso ao pão.Mas também não é suficiente para explicar.

Precisamos é de cavar fundo e tentarmos saber o que está por de tras da pratica. abraço

OPs: nao acabe castanha sozinha, please!!!

Chacate Joaquim disse...

JS, a Nyikiwa já responde a sua questão, na semana passada lembro me de ter lido algo no "Verdade" sobre as motivações das "14zinhas" para com os cotas e coscide com as afirmações dela.

Ximbita! Não só os titios as sobrinhas também conhecem os baús de tesouro

X!mb!t@nE disse...

Muthisse, agora que chamaste atençao é que me dei conta! Essas dos gigolos, de que te referes, faz lembrar aquela dos "Garotos de Programa". E, ha tambem kotas/damas que nao se deixama atras!

SHIRANGANO disse...

As moças querem vida fácil...mas parem ai! Só há 14zinhas porque existem os “titios”. Estes são os principais culpados. Eles estão dispostos a pagar tudo, é necessário que estes, supostos “maduros mentalmente” tomem consciência dos seus actos. Os “titios” devem parar de pensar com o pénis e olharem para os seus valores, pois a atitude que tomamos afecta a esposa, os filhos e toda família.

E eu sendo uma pessoa que quero que a minha filha cresça e veja o quanto amo a mãe dela e também veja em mim um exemplo quando for a escolher o homem da vida dela, escolher um com carácter do pai, digo:
Doa que doer, abaixo as 14zinhas!

X!mb!t@nE disse...

Se antigamente a aliança afugentava as pessoas como se duma peste se tratasse, hoje, Nini, parece uma colmeia: so atraia. Esta atracçao é sintomatica da vontade das pessoas em nao quererem se ligar umas as outras.

Muitas quatorzinhas, por exemplo, para além do titio que lhes "txuna", tem o boy com quem podem desfilar na rua pois com o primeiro é tudo escondido. Também deve lhes fazer bem ao ego ter um super charmoso aos pés delas.

Este triangulo, com muitos lados para ficar com uma figura geometrica incaracteristica, acaba chegando aquela situaçao que é narrada no spot "Pare e pense" (publicado aqui, também) onde o tio tem a esposa, a 14zinha o boy e o boy outras babys. Como ultrapassar os 25 anos?

X!mb!t@nE disse...

Saiete, hehehe, você pah! Esta pratica é generalizada por alguns dos aspectos (a Nini até os sublinhou): sobrevivencia e vontade em marcar a diferença aos olhos dos outros, por parte das 14zinhas e dos titios comprovar ou sentir que ainda estao em forma e que podem "dar e bater" que se farta.

Evidentemente que outros factores, que nao o material estao em jogo. O tecido familiar e social esta fragilizado e da espaço para este tipo de praticas. Veja so que os tios nao se coibem de seduzir por miudas que as vezes tem idade para ser suas netas e vice-versa.

Ha pais que incentivam esta pratica para dessa relaçao tambem tirarem dividentdos, realmente é muito complicado. Eh por estas e outras que os indices de incesto tendem a crescer e a ser abafados nas familias.

X!mb!t@nE disse...

CJ, ninguém diz o contrario! Dai o titulo "14zinhas e o culto ao kota". Também ha 14zinhos, CJ! Imagine se em poucas linhas eu explorasse os contornos deste caso?

X!mb!t@nE disse...

Parabéns pela postura, Shirangano! Eh na familia que se devem começar a incutir os valores que orientarao a vida futura dos nossos filhos.

Essa é a melhor atitude! Bom seria se todos tivessemos coragem para agir assim e, acima de tudo, denunciar essas relaçoes que sao criminais, ainda que com a permissao das raparigas.

Céus, deve e tem que haver um instrumento legal para punir estas atitudes. Acho até que a nivel dos bairros devia-se denunciar publicamente os titios para que todos os outros tenham vergonha na cara e guardem o que tem nas calças para uso com pessoas com idade para tal.

Júlio Mutisse disse...

Identificamos o que, potencialmente, pode levar as 14zinhas a envolverem-se com os titios. Resta algo aqui! Como bem diz o SHIRANGANO, "Só há 14zinhas porque existem os “titios”".

Se o que leva as 14zinhas aos titios é a vontade de aparecer, a apatência pela vida fácil etc., o que leva os Titios às 14zinhas?

O que leva alguém de 35/40/45 a envolver-se com uma garotinha de 16/17/18 anos?

Porque não reflictirmos sobre isso? O que me levaria (aos 32) a deixar minha esposa (de 31)em casa e entregar-me aos braços de uma menina com a idade das minhas sobrinhas que levei às costas quando bebé? Facilidades? Necessidade de provar vitalidade sexual? What?

Bayano Valy disse...

caros,
há aqui um fenómeno. outros dizem que é de tchuna-babes, outros de quatorzinhas. eu acho que devemo-nos ater seriamente à esse fenómeno se queremos compreender o que está a acontecer pelo país fora. o que estará por detrás disso? será a pobreza? será a riqueza? será que é por falta de valores morais? será a exaltação da liberdade? será o fim da história?

X!mb!t@nE disse...

Juristilista Muthisse, se os titios tivessem "os gemeos no lugar", assumiriam essas relaçoes, mas nao é o que assiste. Esse tipo de relacionamento é secreto e se alguém o sabe é justamente pelo caracter "shofista" da menina.

Muthisse, os titios so querem "nhama" tenrinha, so e mais nada (ainda que isso lhes custe uns cobres, mas deve valer a pena ter uma "fixa")! Nao abandonam sequer a familia, isso esta fora de coagitaçao.

Agora, cara, ca entre nos, gente com os ceus centimetros (idade), nao anda a tras de calcinha que cheira xixi. Tao mais para damas que andam de lingerie, tacao alto, que sabem o que quer e nao fazem beicinho quando voce diz "hoje nao da": malta nos, hehehehehe!

Júlio Mutisse disse...

Xim, será só isso: carne tenrinha? Tenho cá algumas dúvidas. Deve haver mais do que isso. Alguma perversidade incluida.

Estou a imaginar os problemas que deve dar gerir uma adolescente quando queira algo... num momento impróprio, se bem que mesmo malta mulheres, aparentemente mais crescidas, possam ter as suas fixações.

Xim, há mesmo muita gente não só com os meus centímetros (altura, idade e tudo), como no meu estado civil etc., que não se coibe de ostentar uma menininha levada da escola secundária estrela vermelha ou polana (onde suponho se dê até 10ª classe) com os seus 16/17 embora não seja generalizável.

Quando me referia a "a deixar minha esposa (de 31)..." não era para significar abandoná-la, separar-me dela. Era sair sem ela (minha esposa) e entregar-me a uma 14zinha... uffff.

Xim, se essas condutas fossem aceitáveis, idealmente, seria recomendável que, como dizes, pessoas com os meus centímetros procurassem malta vocês... mas heishh

X!mb!t@nE disse...

Oh, sô juristilista, perversão a mistura deve haver sim senhor. Esses titios que vão buscar as garinas à porta da escola, são os tais que se querem passar por charmosões e gostosos.

Mas, bom, vamos lá esperar pela opinião dos outros para podermos encontrar uma luz. Snif!

Magus DeLirio disse...

Pois é..

O debate é muito interessante. Para além das preciosas opiniões fiquei a conhecer caras q não sendo novas eram por mim desconhecidas.

Embora não tenha encotrado ainda um motivo razoável para este fenómeno, não acredito muito q seja só por dinheiro. Conheçco daminhas q têm um pouco de tudo mas não deixam de andar para cima e para baixo com motoristas e cobradores de chapas. O mesmo acontece em relação às miúdas da escola, nem todas se metem com os stores por nota. è já um modo de vida. É triste mas é assim.

Nelson disse...

Alinho com o magnus para discordar com ideia de sobrevivencia. Sao bem poucos os casos em que essas maninhas saem por ai por necessidade(grana)

Anónimo disse...

NAO COMETES ADULTERIO
NAO FORNICAR

X!mb!t@nE disse...

Magus Delirio, muito me apraz tê-lo aqui e espero que volte sempre. Gostaria de poder dissecar todos os vertices de todos os temas que proponho aqui, mas não sou capaz.

Não sendo capaz, tenho sempre fé e esperança que discutindo com todos vocês, as minhas e vossas duvidas serao esclarecidas. Não sou expert em nada, apenas levanto o véu e ... vamos lá falar.

X!mb!t@nE disse...

Mano Nelson, também concordo com o que diz o Magus delirus, infelizmente estamos tão apegados as coisas materias (moda e etc.) que não tendo rendimentos proprios mais não fazemos do que nos prostituir e esses não serão, certamente, os unicos argumentos