segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

SMS é que manda!

Em 2008, mais do que nunca, as nossas televisões, apostaram em propiciar aos seus telespectadores programas de lazer pela via de concursos. E de tudo, houve um pouco em todos os canais nacionais: música, dança, reality show, humor, poesia, canto coral, foram as fórmulas escolhidas e que encantaram os apreciadores deste tipo de espectáculo ao vivo ou na tranquilidade do sofá de suas casas.

Vimos de novo, por exemplo, a magia do canto coral, fora do seu habitual palco, as igrejas, desfilarem com muito professionalismo e criatividade no Festcoros. O júri deste concurso foi um trio de 2 categorizados músicos da praça e uma professora de música de categoria indiscutivel mas o critério de avaliação predominante foi o SMS.

Veio o Show de Talentos, uma verdadeira salada de diferentes formas de expressão artistica, numa tipica "fórmula 10 em 1", e que nos deu a conhecer a dupla La's que saiu do armário em grande estilo. Este concurso, teve como júri um músico, cujos créditos desconheço, uma professora de dança renomada e um actor de teatro conhecido. Critério de avaliação predominante: SMS.

Veio o Estrela Pop, que nas suas galas ensaiou combinar várias vozes, afinal o seu objectivo era formar um quarteto pop que teria, entre outros, como premiação uma ida à Portugal para gravar um CD e uma tournée garantida por todo o país para divulgar o trabalho. Desconheço o estágio de tal projecto. O júri foi composto por 1 músico e professor de música de créditos indiscutiveis e 1 actriz, apesar da subjectividade de seus comentários, também de renome. O maior júri foi o SMS popular.

O Remexe, apresentado pela cantora Liloca e alvo de alguma polémica, também fez a sua entrée pela via da televisão. O objectivo era premiar o casal que durante o concurso mostrou os seus dotes em vários estilos de danças. O júri, composto por 3 professoras de dança que algumas vezes revezaram com alguns convidados, tinha o papel de criticar e elogiar os aspectos bons e maus da performance dos concorrentes. Mas, no final de contas, venceu a ditadura do voto pela via do SMS!

Agua vai, água vem, entrou na baila da telinha o já bem e muito conhecido Fama Show, aliás o mais antigo de todos os shows de género. O júri, 2 músicos conceituados e 1 professora de dança de calibre, apesar de alguns comentários bem picantes em nada contribuiram para a justeza do veredicto final. O pior candidato foi premiado pela justiça do SMS dito voto popular.

Ainda nas portas, antes do fecho deste ano, ao estilo do Big Brother pelo mundo, um canal privado de televisão fez-nos ver como vive um grupo de pessoas que tem como ambição ganhar única ganhar o maior bolo jamais visto na TV, a Kasa Kool. Apesar de haver nomeações, entre os habitantes da kk, o maestro da banda foi o SMS sendo que para este caso parece que vingou! Este concurso, ao contrário dos outros, foi mais transparente.

Se se fizer uma sondagem, pode-se facilmente concluir que muitos (tel)espectadores ficaram descontentes com os vencedores de tais concursos e que, na opinião de alguns, o júri deveria dar o seu contributo no resultado final (apesar deste também ser muitas vezes contestado). Este sentimento, levou-me a questionar-me sobre alguns aspectos:

1. Sendo que por detras destes concursos há empresas de auditoria a monitorarem os concursos, porque nunca se dá a conhecer a tendência de voto? Qual é o nivel de transparência?
2. Para que serve o juri se nao têm nenhuma implicação na decisão final?
3. Sem ter em conta o numero de votos, que desconhecemos, a representativa amostra que esteve na final do presente no Fama Show e que sempre vaiou a candidata, não é um indicador de injustiça para com os verdadeiros talentos?
4. Porque, ainda no Fama Show, tudo se faz para "provincializar" os vencedores do concurso? O que importa é a rotatividade da unidade nacional ou premiar o justo vencedor?
5. ...

Seja como for, cá entre nós SMS é que manda!

19 comentários:

Bayano Valy disse...

olá,
boa peça.
depois vou dar um palpite às tuas questões.

Chacate Joaquim disse...

Ximbita, o apresentador diz que é voto popular!

Popular o dicionário diz que é adj. 2gén. respeitante ou pertecente ao povo; usado ou frequente entre o povo que agrada ao povo; feito para o povo; vulgar; notório; democrático; que goza do favor público; promovido pelo povo; s. m. homem do povo.

ogra diga me Ximbita o que é do povo nisto tudo? onde está a justiça e equidade disto tudo? qual é a diferença destes e aqueles que vendem deblomas académicos? se os que tem poder financeiro é que manda! já imaginou se o escurtínio de 19/11/08 tivessem sido em mesagens!... kkkk acho que os que não tem nem "mola" para campanha estariam 100% no zero e seria obviamente injusto.

X!mb!t@nE disse...

Bayano, aguardo a tua contribuição pois estou num breu de imcompreensão e revolta

X!mb!t@nE disse...

Boa lição essa de voto popular, Chacate! Sinceramente que não tenho respostas para as minhas e nem para as tuas questões, tamanha é a minha revolta

Nyikiwa disse...

Eu estou indignadissima com os criterios utilizados para avaliar os participantes de programas de entretenimento como o fama show! Afinal estamos a potenciar talentos ou afunda-los? Todos concorrentes com talento foram banidos do podio. O que importa nessas lides do reality Show e a experiencia adquirida na academia, mas um premio estimula bastante a trabalhar. Na minha opiniao a vencedora ou melhor, a pessoa a quem foi atribuido o galardao foi sempre criticada pelo juri, principalmente pelo contundente Roberto Isaias e nao mostrou talento nenhum, talvez o tenha para outras coisas. Seria bom que a organiZacao desse tipo de eventos clarificasse logo no inicio desses programas que nao estao em busca de talentos, mas sim de marketing e negocio. Se me convidassem para ser membro de juri de uma dessas palhacadas, jamais aceitaria porque o juri e uma fantochada. Se a posicao do juri nao conta no resultado final o que esta ele ali a fazer? Sera que se expoem ao ridiculo porque sao remunerados?

Zefanias disse...

Olá Ximbitane,

No meu ver, acho que não há nenhuma transparência na tendência dos (tele)espectadores conhecerem o número de votos que são atribuídos aos participantes. Isto porque nunca divulgam o número de votos que o candidato teve. Acho que deveriam criar um sistema de contagem on-line e que essas mesmas votações decoressem na hora em que o programa está no ar ou uma outra solução para dar a conhecer aos (tele)espectadores.
Sempre notamos que há canditatos que saem prejudicados (aqueles que tem o vardadeiro talento).
O juri não serve para nada, estão apenas para queimar tempo de antena. O palpite que eles dão não funciona para nada, uma vez que, o voto é por via sms.
Não entendo porque fazem tudo para “provincializar” os vencedores do concurso.
Não páro por aqui, comentarei ainda mais acerca deste assunto.

Abraços

Afroscout

Bayano Valy disse...

cara ximbitane,
o prometido é devido e cá estou de volta. cada uma das questões que colocas no fim pode provocar um debate parelelo, mas não vamos por ai. bem, vou tentar pegar cada questão.

"1.Sendo que por detras destes concursos há empresas de auditoria a monitorarem os concursos, porque nunca se dá a conhecer a tendência de voto? Qual é o nivel de transparência?" acho que temos apenas uma instituição que faz esse tipo de monitoria, que é a inspecção geral do jogo. agora, aqui surge uma outra questão: o que é que a inspecção procura num jogo em que tudo em feito com base em sms's? talvez ver que não houve desvio de votos em detrimento de um concorrente, e quanto à isso acho que a inspecção tem apenas de confiar na palavra da mcel, visto eu duvidar que possa ter tecnologia suficiente para fazer o tipo de peritagem necessária para detectar qualquer anomalia no sistema. acho que em todas as galas dizia-se de passagem quem tinha ficado em que lugar, e também há quem diga que telefonando no sábado a pessoa sabia onde ficara o seu candidato preferido.


2. Para que serve o juri se nao têm nenhuma implicação na decisão final?

no início desta gala, ouvi o meu amigo stewart a dizer que a decisão do juri não tinha peso nenhum. quem contava era o "povo". o juri esteve lá apenas para dar dicas tipo "se estivesse ai no palco dava-te um beijinho. saiba que sou teu fã" roberto isaísas. portanto, a responsabilidade era do povo. se o povo decidiu no mais medíocre, a culpa é do povo. "nós apenas fazemos o show acontecer", imagino que a mcel-stv diriam isso. mas essa do voto popular deve ser bem analizado: quem são as pessoas que votam? eu recuso-me. o ano passado tinha lá a minha pequena (eulália tamele) que (apesar de ser alguém das minhas intimidades) acho ser um talento natural, mas não cheguei a sequer votar nela. pelo menos, enviava crédito à mãe para ser ela a votar. quando ela saíu quis saber quanto é mais ou menos se tinha gasto nela. apenas a mãe gastava por ai 10 mil meticais por semana. imaginem os outros! a cena é uma grande negócio e quanto menos relevância o juri tiver fora as besteiras mais grana. mais, dizia eu, que era necessário vermos quem vota; grande etário; estrato social; motivações (votam por a pessoa ser boa ou por ter olhos bonitos? votam por ser boa ou por ser da província?); etc...

3. Sem ter em conta o numero de votos, que desconhecemos, a representativa amostra que esteve na final do presente no Fama Show e que sempre vaiou a candidata, não é um indicador de injustiça para com os verdadeiros talentos?

vaiar não vai significar nada. isso não vai alterar o preço do chá na china. o importante é as pessoas votarem. o ano passado o professor adérito chamou atenção ao facto de que os talentos estavam a ser eliminados, mas esqueceu-se de que todos os concorrentes têem a mesma oportunidade de ganhar. o que se deve fazer é organizar uma máquina eleitoral forte para que o seu candidato ganhe. vejam como a última vez que maputo ganhou foi na primeira gala quando os outros ainda não tinha acordado. as províncias vêem para um fama show como coisa de vida e morte, talvez mais importante que isso, e é por isso que votam. nós aqui temos tantas coisas com que nos preocuparmos. se querem que os talentos ganhem, votem!!!!

4. Porque, ainda no Fama Show, tudo se faz para "provincializar" os vencedores do concurso? O que importa é a rotatividade da unidade nacional ou premiar o justo vencedor?

acho que respondi a esta questão. chegados aqui e à guisa de conclusão: para mim, o maior problema é a banalização da cultura e o "dumbing down" (não sei como dizer isso em português) do povo. este povo já não se importa tanto em ver o "quinta à noite", "pontos de vista", escutar os debates da rm, por exemplo. passe uma novela....
não sei o que isso significa. não sei de quem é a culpa (deverá haver culpado?). apenas sei que as coisas andam mal paradas.

Nyikiwa disse...

Subscrevo inteiramente o comentário do Chacate.

Yndongah disse...

Primosa boa tirada esta, tenho receio em dizer isto, mas acho que parte deste problema é nosso.Quantos de nós que nos indignamos com resultado do fama show( e de outros concursos) votamos?

Se se recordam o spot que anunciava os castings deste reallity show era bem claro “queres ser famoso....”? logo de inicio já se anunciava que não se procura talento mas sim um famoso, portanto aquele que conseguir mais votos e, cabia a nós fazer coincidir o mais talentoso com mais o votado!

Os inspectores de jogos fizeram a sua parte auditaram-no tendo em conta as regras do jogo, o juri foi lá apenas com o papel orientador mas a decisão era nossa isso sempre esteve claro!

Durante o concurso era possível sabermos quais são as tendências de voto bastava apenas ligar para as informações, aliás semana após semana eramos brindados com saídas injustas e permanências injustas, isto já era prenuncio do que seria a final.

Ontem tava a ver uma reportagem sobre os “idols” no brasil, cuja final se realiza amanhã, os critérios de classificação são exactamente os mesmos que os nossos, via sms, é curioso que os brasileiros sentem-se felizes por terem esse poder de decisão nas mãos, consideram o concurso democrático.E nós?(eu inclusa)

Chacate Joaquim disse...

Bayano, a inspensão geral de jogos o que tem haver com a cultura? acho que o que deveria procurar ver este é a justeza da organização não propriamente a certificação do talento, porque ao que me parece o professor adérito é funcionário do MEC e a matéria musical faz parte dos conteúdos curriculares aprovados por este ministério o meu problema é se de facto o método este usado pela Mcel promove o talento ou o poderoso! o que diz Aris Aly? a meu ver aqui estamos a certificar pessoas pelo seu poder económico e se você não pertence ao grupo de poderosos então não es alentoso será isso que o governo quer da cultura? apelamos que acultura seja vendida de outra maneira não desta...

Bayano, quando se definiu as políticas deste envento quem são os actores envolvidos? acho o MEC deveria ter sido envolvido de forma a ver o SWOT deste programa na área de cultura e das pessoas envolvidas a Mcel nem a STV não podem tornar o povo refém dos seus negócios. Quando stewart diz que o voto do povo é que manda seriamos de ver quantas pessoas tem Cell em Moçambique e com capacidade para votar? então, de que povo está se afalar? Eu esperava que FAMA SHOW fosse uma verdadeira escola de música mas para isso tinha que ser justo primeiro com a cultura segundo com os concorrente e por fim com o povo que está preocupado com o progresso da cultura Moçambicana. o culpado disto não somos nós, é quem uni e organiza o povo que tutela a questão da cultura que devia ver os príncípios de justiça, legalidade, imparcialidade, Transparência, colaboração etc não deixar Zico nos insultar e tantos outros obrigado.

X!mb!t@nE disse...

Irmã, sabes que compartilho desse teu sentimento! Alias disso ja tinhas falado aquando da final em questão

X!mb!t@nE disse...

Afro, concordo contigo! Se o que contam sao os votos por sms, que sejam divulgados sim senhor, não importa o vencedor pois todos partem em igualidade de direitos

X!mb!t@nE disse...

Hmmm, Bayano, quanto a questao 1, quer-me parecer que se tratava de uma empresa de auditoria, se bem que por certo a inspecção geral de jogos tivesse lá a sua parte da fatia... Também ouvi essa de que telefonando poderia-se saber em que posiçao estavam determinados concurrentes, mais um aspecto negativo a meu ver. Porque não dizer em alto e bom som?

Concordo com a tua resposta na questao 2, alias em "off" discuti o assunto com a Yndoh. Nessa ordem de ideias, estripando o assunto, podemos achar que sendo que a Zambézia há pouco entrou na rede "STV" estão com muita força e energia para votar. Foi o que se viu quando ganhou o de Sofala e de Inhambane, atenção, apenas conjuncturas!

E, concluindo, concordo com tudo o que dizes, apesar de ainda continuar com enjoos por causa desta estoria!

X!mb!t@nE disse...

Humm, Yndoh, recuso-me a ter culpa nessa treta! Eu não tenho balurdios para poder votar.

Vê o exemplo que o Bayano dá: 10 000,00Mt numa semana e só de uma pessoa. Tem dó, querida!

X!mb!t@nE disse...

Em parte concordo contigo, Chacate. O Fama deveria ser uma academia de formação, mas está a ser uma rampa de lançamento para alguns e poucos. É uma pena que tudo seja em nome dos negocios!

Nyabetse, Tatinguwaku disse...

Ola Xim, acho que algumas coisas sempre vao existir, sobretudo enquanto nao houver concorrencia. Sendo a Vodacom e a Mcell empresas cujo objectivo eh fazer dinheiro (e de passo fornecer servicos de comunicacao), nao vejo nada de estranho nestes concursos. No entanto, estranho eh que aqueles de direito, artistas, promotores, educadores musicais/danca/etc, aceitem envolver-se neste tipo de concursos, e nao pensarem em alternativas.

Estou segura de que, de aparecer um programa/concurso/escola (ou ja agora "academia" que promova talentos verdadeiramente, estes optariam por estes programas, e nao pelos fama show's, porque afinal de contas eles sabem oque eh importante para si.

Oque eu nao entendo eh que estas pessoas e personalidades da cultura (comecando pelo ministerio), nao apostem por um trabalho serio de promocao de talentos!

Beijocas

Nyabetse

Jorge Saiete disse...

Xim,
Deste que o famashow começou somos brindandos com palhaças em cima de palhaçadas por isso eu já nem vejo.

Os talentos não são considerados. Inocencio Matola é um exemplo de um talento preterido no famashow e que está a fazer sucessos aolhos vistos, por 2 anos consecutivos ocupou um dos lugares do pódio do Top Ngoma.

Acho que temos que apostar no Top Ngoma que é relativamente sério, apesar de, na final deste ano, o júri ter metido agua para além da necessária. abraço

X!mb!t@nE disse...

Nyabe, estas coberta de razão! É lamentável o que se assiste, ainda se dessem um "tiquinho" dos rendimentos que as sms seguramente rende à escola de música para comprar umas guitaras que tanta falta faz...

X!mb!t@nE disse...

Saiete, preteriu-se alguns talentos sim, como o exemplo que citas. Vê o exemplo do Projecto Tchim Tchim que tem como madrinha a Gabriela, outro talento provindo de concursos similares.

É verdade sim que anualmente vemos palhaçadas, tanta parra e pouca uva, céus, é isso que me revolta! E assim morrem talentos que poderiam nos livrar de músiquetas ocas